SOBRE O BLOG PAI VIÚVO

Desenhos: uma forma de expressar meus sentimentos e nosso dia a dia

Pai ViúvoComecei a desenhar depois que minha filha de cinco anos disse que a saudade ia embora quando ela desenhava.

Uso meu celular para fazer as histórias ilustradas, desta forma, ganho tempo. Afinal, cuidar de uma filha de cinco anos e trabalhar em casa não é tarefa fácil.

Pretendo transformar as histórias em um livro ou ebook interativo. Se você é um editor, por favor, entre em contato.

 

OBJETIVO

Mostrar as pessoas que estão passando por um período de luto que é possível continuar a viver com alegria, enfrentando os problemas de frente e aproveitando os bons momentos com as pessoas que amamos. Aceitar a perda é uma ilusão, mas podemos conviver com ela.

 

O QUE ACONTECEU COM A MÃE DA RAFA

Recebi uma ligação da minha esposa por volta das 17h. Ela estava no trabalho e pediu para que eu fosse buscá-la porque estava passando muito mal e com febre alta. Ao entrar no carro, percebi a gravidade do seu estado físico.

Seus braços tremiam sem controle, uma dor forte na garganta e dificuldade em respirar. Imediatamente, fomos à emergência de um dos melhores hospitais de Porto Alegre.

Ficamos lá durante horas, acho que três ou quatro horas. Não pude acompanhá-la na consulta porque disseram que eu não podia. Hoje, me arrependo de não ter insistido. Quando foi liberada, perguntei qual era o diagnóstico: “uma indisposição”, disse ela.

O médico receitou um remédio para dor e febre e mandou-a pra casa.

No dia seguinte, acordou vomitando, com fortes dores no abdômen, febre alta e manchas por todo corpo. “Mãe, tu tá cheia de pinta!”, disse a Rafa enquanto a mãe trocava de roupa para irmos, novamente, à emergência.

Por fim, diagnosticaram-na com Meningite Meningocócica tipo C, a mais brutal e fatal das bactérias causadoras da Meningite. Faleceu naquele dia. Vinte e nove horas depois do primeiro sintoma.

Até hoje, sinceramente, não aceito isso. Como alguém pode morrer desse jeito no século 21? Não aceito que um médico mande para casa um paciente sem examiná-lo detalhadamente e sem nenhum tipo de exame.

“Ele nem me tocou”, disse minha esposa quando saiu da emergência. Não aceito que minha filha de cinco anos cresça sem a mãe, mas convivo com isso, não deixo que a revolta e a tristeza tome conta de mim.

 

MINHA MISSÃO

Eu tenho uma missão: cuidar e educar minha filha para que ela cresça saudável e feliz e, quem sabe, ela ajude a tornar nosso país um lugar melhor.

Todo pai tem esse desejo para com seus filhos, mesmo que não seja viúvo, no entanto, costumamos dividir essa tarefa com a mãe.

Quando perdemos nossa companheira, a missão ganha um outro sentido e uma dimensão maior.

sobre o blog pai viuvo

Fiz essa ilustração usando um filtro do meu celular em uma foto que a Eliane tirou antes de falecer.

Na época, achei a foto feia. Agora, ganhou milhões de significados. A travessia da ponte, eu e minha filha de mãos dadas, uma despedida vista através dos olhos da mãe, o sentimento de solidão, tudo parece significar alguma coisa. Na verdade, quando passamos por uma situação de perda de um ente querido, ficamos sensíveis e mais espiritualizados, mesmo eu, um agnóstico declarado.

Acredito que o ser humano carrega dentro de si um sentimento de espiritualidade. Alguns são mais espiritualizados, outros menos, mas todos o possuem. Mesmo o mais cético dos ateus um dia cederá e questionará sua convicção.

 

 

 


QUEM SOU EU

Meu nome é Ronaldo, pai viúvo, designer, especialista em identidade visual e em construir marcas, proprietário da Baker Design e Marketing Digital.

indexeu
Ronaldo B. K.

Nas horas vagas, à noite ou às 6h da manhã, nos finais de semana, eu trabalho no conteúdo do blog. Eu não me importo em trabalhar tanto, é muito importante para nós e para as pessoas que nos seguem. Aliás eu gostaria de agradecê-las: MUITO OBRIGADO POR PARTICIPAR!!!

 


No final desta página, tem um campo para você fazer um comentário. Escreva sobre sua experiência. Sua história pode ajudar muita gente.

Salvar

Salvar

Salvar

8 thoughts on “SOBRE O BLOG PAI VIÚVO

  • 14/06/2017 at 19:09
    Permalink

    Olá, queridos!
    Saudades dos vídeos, em especial da Rafinha, com todo o seu carisma e docilidade!
    Só hoje conheci seu blog e pude ler seus artigos…Só posso dar os parabéns!
    Muitas pessoas, não gostam ou não conseguem expor o que sentem, falar sobre os sentimentos e sobre o que nos entristece, é uma prova de coragem e vontade de seguir em frente.
    Desejo de coração que vocês estejam bem, repletos de paz e felicidade!
    Bjs.

    Reply
    • viuvo
      21/06/2017 at 10:09
      Permalink

      Estamos ótimos! Não tenho publicado muita coisa porque estou com muito trabalho e preciso colocar em dia, do contrário meus clientes vão embora 🙂
      Obrigado por conhecer nosso blog!

      Reply
  • 09/05/2017 at 10:05
    Permalink

    Olá Ronaldo,também sou um Pai viúvo, e tenho dois filhos maravilhosos pequenos.Li o teu Post e de outros Pais. .
    Sucesso e continue dando força a outros pais !

    Reply
    • viuvo
      21/06/2017 at 10:03
      Permalink

      Olá, Patrick! Seguimos em frente!

      Reply
  • 23/02/2017 at 15:19
    Permalink

    Olá Ronaldo. Também sou um pai viúvo, com um filho de 05 anos também. Perdi minha esposa dia 20/02/17, de um AVC. Ficou internada no hospital desde 12/12/16. Foram 68 dias de muito sofrimento, mas também de momentos alegres e emocionantes. Tive a oportunidade, depois de mais de 20 dias de UTI, de conviver com ela no quarto. Ficaram muitas sequelas. Fala, movimentos… mas conseguíamos nos comunicar com os olhos dela (sim olhos para cima, não olhos para baixo). Consegui, nessas 05 semanas de quarto, dizer tudo que sentia por ela. Falei muito do meu amor por ela e que ela ficasse tranquila que qualquer coisa que fosse acontecer, eu ajudaria ela.
    Enfim, legal ter um canal assim para trocar umas ideias com quem também passou por isso que estou passando.
    Dói muito, mas sei que o tempo irá ajudar.
    Grande abraço!

    Reply
    • viuvo
      21/06/2017 at 10:06
      Permalink

      Obrigado por compartilhar com a gente a sua história. Muita paz e saúde para você e sua família.

      Reply
  • 03/02/2017 at 17:25
    Permalink

    Boa tarde, Ronaldo.

    Aconteceu isso comigo, também minha esposa faleceu e estava grávida de 04 meses, deixou eu mais 02 filhos, sendo minha filha com 08 anos e meu filho com 11 anos. Não consegui acreditar ainda que no dia 24/12 estávamos todos alegres, felizes e cinco dias depois ela falece. a Dor que eu sinto e insuportável, mais ver meus filhos com essa dor, me derruba cada dia mais. Parabéns pela sua iniciativa, pois lendo alguns depoimentos estou buscando forças para seguir.

    Reply
    • viuvo
      03/02/2017 at 18:23
      Permalink

      Além de ter que suportar a nossa dor, temos que suportar a dor da tristeza de nossos filhos. Seguimos em frente, aprendemos com eles, o tempo vai passando e, então, percebemos que estamos diferentes, adaptados a nova vida, não sentimos mais o peso do luto.

      Nós, homens, somos muito inseguros quando se trata de cuidar dos filhos sozinhos. Não fomos criados para isso. Eu tive que cuidar sozinho de minha filha de 5 anos.

      Agora ela está com sete, está feliz. Às vezes fica triste quando vê as outras crianças com pai e mãe saindo para passear, ou nas apresentações da escola, dia das mães… Mas ela está aprendendo a viver com isso e segue em frente.

      Vai dar tudo certo, meu amigo!

      Continue escrevendo, isso ajuda. Se preferir discrição, peça para eu não publicar o post ou envie um email.

      Grande abraço!

      Reply

Comente o artigo