sinais de quem pensa em suicídio

Sinais de quem quer cometer suicídio

Embora eu tenha passado por momentos difíceis e convivido com a tristeza profunda da minha filha com a perda da mãe, cometer suicídio jamais passou pela minha cabeça. Você pode saber um pouco mais da nossa história no artigo “O pior dia da minha vida“.

Nesses anos, desde que criei este blog, YouTube entre outros canais sobre o luto, conversei com muitas pessoas que tinham a intensão de cometer suicídio.

Talvez você também conheça alguém que esteja passando por um sofrimento terrível por causa da dor da perda.

Muitas vezes ficamos sem ação e preferimos não intervir como não sabemos como ajudar. A primeira coisa que precisamos fazer é reconhecer os sinais de que esta pessoa está com a intenção de cometer suicídio.

 

Como reconhecer os sinais de que uma pessoa quer cometer suicídio

A CVV/Uniceff lançou uma série de vídeos sobre o suicídio. Entre eles encontrei este sobre os sinais que indicam que um jovem pode vir a cometer suicídio. Assista:

Segundo a psicóloga Karina Okajima Fukumitsu, de acordo com o artigo do site G1, a pessoa que tem em mente suicidar-se emite sinais comportamentais e verbais, tais como:

Comportamentos diretos

  • Tentativas de suicídio anteriores
  • Mudanças repentinas de comportamento
  • Ameaça de suicídio ou expressão/verbalização de intenso desejo de morrer
  • Ter um planejamento para o suicídio
  • Sinais observáveis de depressão
  • Oscilação de humor
  • Pessimismo
  • Desesperança
  • Desespero
  • Desamparo
  • Ansiedade, dor psíquica, estresse acentuado
  • Problemas associados ao sono (excessivo ou insônia)
  • Intensa raiva
  • Desejo de vingança
  • Sensação de estar preso e sem saída
  • Isolamento: família, amigos, eventos sociais
  • Mudanças dramáticas de humor
  • Falta de sentido para viver
  • Aumento do uso de álcool e/ou outras drogas
  • Impulsividade e interesse por situações de riscos

 

Comportamentos indiretos

  • Desfazer-se de objetos importantes
  • Conclusão de assuntos pendentes
  • Fazer um testamento
  • Despedir-se de parentes e amigos
  • Casos extremos de irritabilidade, culpa e choro
  • Fazer carteira de doação de órgãos
  • Comprar armas, estocar comprimidos
  • Fazer seguro de vida
  • Colocar coisas em ordem
  • Súbito interesse ou desinteresse em religião
  • Fechar a conta corrente

 

Verbalização direta

  • “Eu quero morrer.”
  • “Gostaria de estar morto.”
  • “Vou me matar.”
  • “Se isso acontecer novamente, prefiro estar morto.”
  • “A morte poderá resolver essa situação.”
  • “Se ele não me aceitar de volta, eu me matarei.”
  • “Quero sumir. Não aguento mais! Só morrendo mesmo para aguentar.”

 

Verbalização indireta

  • “Se isso acontecer novamente, acabarei com tudo.”
  • “Eu não consigo aguentar mais isso.”
  • “Você sentirá saudades quando eu partir.”
  • “Não estarei aqui quando você voltar.”
  • “Estou cansado da vida, não quero continuar.”
  • “Tudo ficará melhor depois da minha partida.”
  • “Não sou mais quem eu era.”
  • “Logo você não precisará mais se preocupar comigo.”
  • “Ninguém mais precisa de mim.”
  • “Eu sou mesmo um fracassado e inútil. Tudo seria melhor sem mim.”

 

Como ajudar alguém que está pensando em suicídio

Depois que você reconheceu os sinais de que a pessoas está pensando em suicídio, você poderá ajudá-la.

No site do CVC– Centro de Valorização da Vida, você encontra vários artigos sobre as formas de ajudar. Veja algumas delas:

O que fazer

  • Converse diretamente com a pessoa que está sofrendo
  • Seja compreensivo
  • Converse abertamente e respeitosamente
  • Procure saber como a pessoa está, o que tem feito ultimamente e como está se sentindo
  • Escute sem julgamentos, mas não significa deixar a pessoa ficar falando sozinha, faça perguntas ocasionalmente
  • Demonstre disposição de querer conversar novamente com ela
  • Informe ajuda profissional, indique o número de telefone 188 ou o site www.cvv.org.br

 

O que não fazer

  • Não fale muito sobre você por que o foco deve estar na pessoa que está sofrendo
  • Não ofereça soluções simples para os relatos dela
  • Não seja apressado por que ela precisa se sentir livre para falar e sem pressão
  • Não rechace com frase do tipo “Credo, isso é pecado”
  • Não esboce expressões de choque como por exemplo “Não acredito que você está pensando nisso”
  • Não reprima e jamais diga “Pra que chorar? Você sempre teve tudo do bom e do melhor!”

Falar de forma incorreta pode piorar toda a situação. Assista o vídeo da CVV/Unicef para saber o que não fazer:

 

 

Papel da família na prevenção do suicídio do jovem

A família tem um papel central na prevenção ao suicídio porque. É em casa que o jovem passa mais tempo e mostra mais a sua intimidade. É em casa que podemos perceber se o jovem está sofrendo, observando seu comportamento .

Atualmente os pais trabalham fora de casa, estão sempre correndo, a família só se reúne à noite com encontros rápidos e muitas vezes ficam cada um em um canto, no celular, TV ou computador. Não há mais convivência.

 

Como os pais podem previnir o suicídio do filho adolescente

  • Aproxima-se mais do filho com mais afeto, com mais acolhimento nas horas difíceis.
  • Dar limites ao filho.
  • Ajudar a tolerar frustrações. A tolerância a frustrações o torna mais resiliente.
  • Manter um diálogo aberto, sem preconceito, sobre a intenção do filho de cometer o suicídio.
  • Ao perceber o sofrimento do jovem, levá-lo ao psiquiatra ou psicólogo para uma avaliação.
  • Ensinar o adolescente que as coisas vem pelo esforço, que para conquistar algo é necessário um merecimento.
  • Não buscar a felicidade do filho a todo custo.
  • Ensinar que a vida vale à pena ser vivida, que muitas vezes é difícil, mas tem muita coisa boa.
  • Dar tarefas dentro de casa.
  • Não julgar a intensão do filho de cometer suicídio, ouvi-lo sem criticá-lo.

 



Coisas que levam o jovem a pensar em suicídio

  • Não ser tolerante com frustrações como por exemplo término de relacionamento, notas ruins na escola.
  • Não entender que a morte é definitiva pode levar o jovem a tomar a atitude do suicídio como algo impulsivo sem pensar nas consequências.
  • Cobrança excessiva da família e as expectativas dos pais em relação ao jovem.
  • Dificuldade do jovem ser ele mesmo, inclusive quanto à sua sexualidade.
  • Não sentir-se em um ambiente tranquilo para se abrir sem ser julgado.

 

Sinais de que o jovem pode dar dentro de casa

  • Crises de raiva.
  • Isolamento.
  • Uso de álcool e drogas.
  • Não querer conversar.
  • Descaso com a aparência.
  • Coisas que gostava de fazer antes e agora perdeu o interesse

 

Assista ao vídeo para saber mais sobre o papel da família na prevenção ao suicídio do jovem:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *